Avançar para o conteúdo principal

Estudo do IEDI alerta para necessidade de inovação pautar desenvolvimento do Brasil, mas deixa "risco" na sombra.

Num estudo regular do IEDI (http://iedi.org.br/) entidade, que nasceu como dissidência da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), algumas linhas de política industrial são apresentadas como pauta básica para ir além dos planos de ação que têm sido postos em prática no Brasil.

Trata-se do estudo "O grande desafio ao novo governo quem vem da inovação", lançado no ínicio de março desde ano. Tem o mérito de insistir num assunto que os anos de governo FHC/LULA viram transitar em várias direções, ora como lobby por menor carga tributária, ora por meros ajustes que, premidos por circunstâncias internacionais adversas, apenas faziam andar de lado o carro da economia brasileira.

O estudo do IEDI tem o mérito de apontar com todas as letras a inexistência "de uma cultura empresarial voltada para a inovação". Mas também faz vistas grossas à ausência de um sólido compromisso de longo prazo do capital com outro tema antigo e ainda tabu no Brasil, o das responsabilidades sociais.

Fique claro. Responsabilidade social empresarial não quer dizer transformar a empresa em centro de caridade nem assumir funções de um Estado/Governo incompetente. 

Por que o Estado somos todos. E se o Estado brasileiro é de uma incompetência desesperadora isso nos deixa a todos com a responsabilidade de, por exemplo, fazer surgir um projeto educacional que coloque a responsabilidade do aluno nas costas do aluno e a do professor nas costas do professor.

As empresas têm, sim, enormes desafios. Os empresários brasileiros, têm, sim, enormes capacidades. E o Brasil tem, sim, enormes entraves, cumulados todos no já enfadonho "custo Brasil".

O discurso por uma postura empresarial voltada para a inovação num cenário mais livre para o comércio não é novo e o IEDI sabe disso. Curiosamente, o estudo deixa meio na sombra um termo fundamental, inerente à atividade empresarial e comercial, a do risco. Também chama de problema sistêmico um problema eminentemente empresarial, o de conhecer os vários programas e meios de obter recursos e apoios financeiros para projetos que se voltam à inovação. É a empresa que precisa ter pessoal capacitado para analisar o mercado e com ele estabelecer relações.


Fica um "cheiro" de compadrio, de um hábito antigo, passar a mão na cabeça de quem não se prepara para competir.

Numa livre economia o risco é fator tanto de lucro, a partir de projetos bem-nascidos, que evitem custem reversos, (com a diluição no preço final de elevadas margens de erros e incompetência) quanto é fator de prejuízo, geralmente muito maior do que aquele assumido pela empresa, pois que representa também desemprego, reparos de várias ordens, imagem institucional abalada por muitos anos.

A tudo isso o governo federal precisa se posicionar e responder. Mas as últimas ações na Vale do Rio doce, que se iniciaram com Lula e prosseguem intocadas sob Dilma, dão mostras de que está em curso no Brasil dois movimentos de sentido contrário e de interesses conflitantes. São projetos políticos que não conseguem se expressar claramente diante dos olhos dos cidadãos. O modelo da Petrobrás é truculento e esconde mais do que revela. Será adotado na Vale. Quanto custará ao Brasil?

IEDI e outras entidades poderiam começar a rascunhar esse tipo de cálculo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O complexo de Édipo na política brasileira

Por Nelson Prado Rocchi

Uma introdução ao Complexo de Édipo aplicado à política. Publiquei este texto antes do impeachment da Dilma. A Lava Jato ainda não existia e nem havia estourado o Petrolão.

Advogo aqui em favor de um fenômeno, o restabelecimento da Lei do Pai, uma lei psicológica que governa os humanos acima e abaixo das racionalizações, vigendo (vigorando) desde muito antes do surgimento das Constituições Nacionais trazidas no bojos dos movimentos fundantes, como as Revoluções Americana e Francesa.


VIOLÊNCIA CAÓTICA - ÉDIPO - LEI DO PAI - PACTO SOCIAL

Nosso primeiro amor foi nossa mãe. Ela foi nossa Deusa. O menino, para seu desgosto, ao redor dos 2 anos, descobre que existem dois sexos e que ele é um menino, alguém como o pai. Ele não pertence ao gênero sexual da Deusa, ele é de um gênero inferior.

Homens passam a vida querendo pegar, apalpar o corpo das mulheres, substitutas da Deusa perdida. A identificação do menino com o pai nessa idade ajuda o menino a escapar do poder avassa…

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …

O Jair que existe e o que não existe

Estou há semanas querendo tocar em assuntos que não são exatamente sobre política, mas sobre comportamento. Infelizmente vivemos uma era onde achar alguma coisa ofende, não concordar com os intelectuais do Projac te exclui de muita coisa e não ser uma samambaia te prejudica com anunciantes. Enfim, foda-se.

Eu quero falar sobre Jair Bolsonaro.
Antes de mais nada, para validar minha opinião com os psicopatas, devo registrar que meu voto no primeiro turno será em João Amoedo. É o candidato que me identifico mais com as idéias e propostas. Ponto final.
Ah mas então você não vota no Bolsonaro? Voto, claro que voto. No segundo turno contra PT, PSDB, Marina, Ciro, Boulos… voto fácil.
E não, não voto cheio de dedos ou vergonha do que vilão que a mídia criou, nem do super-herói que outros esperam.

O Brasil é um garotinho perdido sem identidade, sem coragem e sem noção. Todo garoto assim quer um super herói para ajuda-lo, não um caminho longo para seguir. Jair é o herói de muita gente, como Lula f…