Avançar para o conteúdo principal

Capitalistas precisam mudar o capitalismo, palavra de um capitalista

Resumi na segunda-feira passada a postura de um conglomerado de representantes industriais (IEDI) sobre a necessidade de o desenvolvimento industrial brasileiro pautar sua atuação na busca de inovação. 

Procurei mostrar que esse grau de organização e de expressão revela um pouco das limitações do próprio Brasil.

Resumo agora as ideias de Dominic Barton, presidente da McKinsey Consultoria, uma das mais importantes do mundo, que revela ter bom conhecimento do Brasil. Segundo ele, o meio empresarial brasileiro detêm 81% de confiança entre os cidadãos brasileiros, um dos mais altos do mundo.

O  texto pode ser lido, em português, na revista Harvard Business Review, editada por Roberto Müller Filho, edição de março de 2011, páginas 50 a 57. O texto original, em inglês, pode ser lido em: http://hbr.org/2011/03/capitalism-for-the-long-term/ar/1

Para começar, Barton cita a crise de 2008 para dar um aparentemente retumbante grito de alerta: nada voltará a ser o que era. Entre 2005 e 2008 ocorreu, segundo ele, uma aceleração drástica" no equilíbrio de poder no mundo, estando contrapostos Ocidente desenvolvido de um lado e Oriente emergente de outro. Isso levou à adoção de "políticas populistas", seguida de novas ondas de tensão entre classes sociais, resultando disso tudo uma pressão sem precedentes sobre os sistemas de governo".


Já ao encerrar o primeiro parágrafo, Barton anuncia como o efeito mais importante, do ponto de vista das lideranças industriais, "o questinamento do capitalismo em si", o qual ele mesmo nota ser antigo e ser fruto da Grande Recessão (1929).

O perigo

Segundo Barton, estão criadas assim as condições para o poder público interferir cada vez mais na atividade empresarial para exercer controle e tentar evitar novos episódios que coloquem em risco "o sistema como um todo".

Barton aponta itens bastante visíveis e outros nem tanto. Um deles diz respeito à
  "tirania do curto-prazo" no mundo dos negócios. A qual gerou uma espécie de praga, a aceleradíssima venda de ações nas bolsas de valores, as quais duram cada vez menos tempo na mão de um investidor.

O cidadão comum pode achar tudo isso um luxo e o capitalismo, um lixo. Mas quem pensa assim deveria ler o artigo de Barton na íntegra, sobretudo os 4 milhões de brasileiros que têm ações de uma empresa chamada Vale do Rio Doce.

Ele diz que estudos da Consultora mostraram que de 70% a 90% do valor de uma empresa está na faixa de fluxo de três anos. Então, se o presidente da empresa trabalhar pensando nos resultados trimestrais estará perdendo o foco do negócio e, principalmente, criando, até mesmo pela ignorância, o cenário propício para catástrofes econômicas.

O texto de Barton tem receitas bastante práticas, como o grau de envolvimento dos conselhos administrativos e a reforma no quadro geral de giro das trocas acionárias. Parece um luxo só. Mas não é. Apesar de nem ser um discurso novo, o discurso de Barton mostra que os capitalistas também têm um papel social dos mais importantes.

Se os conglomerados que representam empresários, como IEDI e Fiesp, precisam de algo mais para rifar as cansadas lentes do oportunismo Estatal, é bom lembrar os dados publicados pela revista Exame desta semana. De 2000 a 2008 o índice de produtividade da Coreia do Sul cresceu 7,4%, da China, 5,2%, dos Estados Unidos, 4,6%, do Brasil, 0,9%. Que lixo!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Levantar a ponta do véu da saúde mostra que a noiva está sem calcinha

Por Alexandre Graviloff

A falta de dinheiro para a Saúde é gritante. O que o Brasil investe não sustenta um sistema complexo como o SUS. Mas a falta de grana, por mais grave que seja, não é a mais importante. Quase nenhum sistema de Saúde tem boa gestão. Se o orçamento da Saúde dobrar, assim, na maior, de hoje para amanhã, da forma como o sistema funciona hoje, haverá desperdício. O Brasil vai jogar dinheiro fora. 
Os governantes iriam construir um monte de hospital. Isso não resolve o problema. Precisamos de mais grana, mas antes precisamos saber como usar bem essa grana. Enquanto não tivermos um sistema de atenção primária funcionando adequadamente, o diagnóstico dos hipertensos e diabéticos continuará a ser feito apenas quando ele chega a uma emergência. É uma irracionalidade porque isso é pior para o paciente e mais caro para o sistema. 
Outro grande problema da administração direta é a área de recursos humanos. Tem gente imbecil que acha que o problema é salário. Aí aumenta o salári…

O complexo de Édipo na política brasileira

Por Nelson Prado Rocchi

Uma introdução ao Complexo de Édipo aplicado à política. Publiquei este texto antes do impeachment da Dilma. A Lava Jato ainda não existia e nem havia estourado o Petrolão.

Advogo aqui em favor de um fenômeno, o restabelecimento da Lei do Pai, uma lei psicológica que governa os humanos acima e abaixo das racionalizações, vigendo (vigorando) desde muito antes do surgimento das Constituições Nacionais trazidas no bojos dos movimentos fundantes, como as Revoluções Americana e Francesa.


VIOLÊNCIA CAÓTICA - ÉDIPO - LEI DO PAI - PACTO SOCIAL

Nosso primeiro amor foi nossa mãe. Ela foi nossa Deusa. O menino, para seu desgosto, ao redor dos 2 anos, descobre que existem dois sexos e que ele é um menino, alguém como o pai. Ele não pertence ao gênero sexual da Deusa, ele é de um gênero inferior.

Homens passam a vida querendo pegar, apalpar o corpo das mulheres, substitutas da Deusa perdida. A identificação do menino com o pai nessa idade ajuda o menino a escapar do poder avassa…

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …