Um jornal antigo, um livro moderno


Leio o Jornal da USP, edição da primeira semana de novembro, uma publicação da Superintendência de Comunicação Social.

Aí está um modelo de jornal que já está superado. Superado para os dias de ontem, nem para 2015 ou 2215. O texto é "duro", não há retrancas nos textos longos, ou seja, o conceito de "texto amigável" inexiste, lembra mais o velho Estadão.

E a diagramação! Por Júpiter! Como pode? Curiosamente, na última página, o artigo "Ideias Encadernadas", do pesquisador francês Michel Melot, discute o desaparecimento do livro impresso. E quer ironia maior? O artigo fala do lançamento de um livro, chamado... Livro, (assim mesmo, uma palavra e uma vírgula). Parece bom.