A esquizofrenia vai sendo naturalizada no Brasil

A presença de José Genoíno no Congresso, como deputado, é o mensalão redivivo no Brasil. Vamos, assim, engolindo mensaleiros numa sem-cerimônia do PT que preocupa pelo que promete vir. 


Lula naturalizou o "eu não sabia", Genoíno tem o papel de naturalizar o "não tô nem aí". 

Nas prefeituras conquistadas pelo PT, até mesmo com golpes de apoio de câmaras municipais, como no caso de Osasco, parece estar a caminho a naturalização da filosofia do técnico Zagallo, "vocês vão ter de engolir" (o PT), que ficou na citada Osasco com apenas 28% dos votos. 

Há um movimento orquestrado em andamento. É mais do que desfaçatez, outrora chamada de cara de pau. Fazer de conta que a lei não existe, ou só existe para prejudicar concorrentes, o STF não existe, ou somente deve aparecer para acobertar aquilo que não interessa ao PT, o voto não existe, em seu lugar bolsas-esmolas devem garantir o sufrágio no capacho que o Lula escolher. 

É claro que não ocorre somente isso. Mas para salvar a imagem de partido ideológico, que um dia mereceu mais atenção e respeito, o PT foi assumindo posturas que sempre combateu nos outros. Nem na cara de pau inovou. 

O festival de falcatruas que assola o país, porém, mostra o grau de despreparo de gente fornida pelo PT, e cúmplice em tudo, e que deságua nos resultados do País, com crescimento rídiculo e desmontagem geral de algo que a gestão FHC colocou de pé, como as agências reguladoras, que nasceram para fiscalizar e dependiam para funcionar bem dos recursos que a primeira gestão Lula passou a mão e canalizou para interesses ainda suspeitos e certamente inconfessos.

Dessa forma, o Brasil vai naturalizando a esquizofrenia intencional do PT. E com um certo objetivo que pode ser bem perigoso. Pense um pouco no conjunto dessa "obra" petista. Qual é o objetivo? Pense um pouco...

O sequestro que a vereadora do PT armou para si mesma: 
http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/conteudo.phtml?tl=1&id=1332585&tit=Vereadora-suspeita-de-simular-sequestro-esta-detida-em-delegacia