Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Junho, 2013

É no Brasil, mas brasileiro não entra

Por Mara Silvia Alexandre Costa
Depto de Biologia Celular e Molecular/FMRP - USP
Aprovada em concurso público passou duas semanas no lugar que descreve.


"As duas semanas em Manaus foram interessantes para conhecer um Brasil um pouco diferente, mas chegando em Boa Vista (RR) não pude resistir a fazer um relato das coisas que tenho visto e escutado por aqui.

Conversei com algumas pessoas nesses três dias, desde engenheiros até pessoas com um mínimo de instrução.

Para começar, o mais difícil de encontrar por aqui é roraimense. Pra falar a verdade, acho que a proporção de um roraimense para cada 10 pessoas é bem razoável, tem gaúcho, carioca, cearense, amazonense, piauiense, maranhense e por aí vai. Portanto, falta uma identidade com a terra.

Aqui não existem muitos meios de sobrevivência, ou a pessoa é funcionária pública, (e aqui quase todo mundo é, pois em Boa Vista se concentram todos os órgãos federais e estaduais de Roraima, além da prefeitura, é claro) ou a pessoa trabalha no comérc…

Brasil, 1957, surge o pré-sal. Sim, 1957.

Este texto foi publicado em novembro de 2011 pela jornalista Miriam Leitão.
"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.



A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso reforça a tendência a acreditar na quimera, no “deitado em berço esplêndido”, que tem feito o país perder chances e assumir riscos indevidos.

A primeira descoberta de petróleo no pré-sal do Brasil foi em 1957 no campo de Tabuleiro dos Martins, em Maceió. A segunda foi em Carmópolis, em 1963. Ainda hoj…

Números que falam. São Paulo praticamente banca o Brasil.

O quadro abaixo é um retrato do Brasil.
Veja abaixo quanto cada Estado recebe e repassa ao Governo Federal (via arrecadação de Impostos).
Depois faça as contas e veja quem sustenta quem? É assustador...


EstadoQuanto paga ao governo federal Quanto recebe do governo federalEm vermelho ficou devendo e Verde Fica sobrandoMaranhão1.886.861.994,849.831.790.540,24-7.944.928.545,40Bahia9.830.083.697,0617.275.802.516,78-7.445.718.819,72Pará2.544.116.965,099.101.282.246,80-6.557.165.281,71Ceará4.845.815.126,8410.819.258.581,80-5.973.443.454,96Paraíba1.353.784.216,435.993.161.190,25-4.639.376.973,82Piauí843.698.017,315.346.494.154,99-4.502.796.137,68Alagoas937.683.021,325.034.000.986,56-4.096.317.965,24Pernambuco7.228.568.170,8611.035.453.757,64-3.806.885.586,78Rio Grande do Norte1.423.354.052,685.094.159.612,85-3.670.805.560,17Tocantins482.297.969,893.687.285.166,85-3.204.987.196,96Sergipe1.025.382.562,893.884.995.979,60-2.859.613.416,71Acre244.750.128,942.656.845.240,92-2.412.095.111,98Amapá225.…

Panfleto mostra organização para a violência

O panfleto abaixo mostra uma espécie de bula da violência (contra os ricos), um tema constante nas conversas dos caras do PSOL, PSTU e muita gente do PT. Se isto não mostra organização para atacar a polícia, no mesmo dia em que um sindicato ligado a eles deflagrou uma greve de trens na Região Metropolitana de São Paulo, não sei o que significa o termo provocação.









Um oitavo das perguntas que Lula precisa responder

Recebi de um advogado blogueiro este rol de perguntas para que Lula possa responder.
Tenho a impressão de que se fosse um policial o tom das perguntas seria outro.
E aqui estão apenas as perguntas sobre ele e a primeira-amante do Brasil.


1. Por que se recusa a prestar esclarecimentos sobre um escândalo investigado pela Polícia Federal que o envolve diretamente?

2. Considera inconsistentes as provas reunidas pela Operação Porto Seguro?

3. Por que disse em Berlim que não se surpreendeu com a Operação Porto Seguro?

4. Desta vez sabia de tudo ou, de novo, nunca soube de nada?

5. Onde e quando conheceu Rosemary Noronha?

6. Como qualifica a relação que mantém com Rose há 17 anos?

7. Em quais critérios se baseou para instalar uma mulher sem experiência administrativa na chefia do gabinete presidencial em São Paulo?

8. Por que pediu a Dilma Rousseff que mantivesse Rose no cargo?

9. Por que criou os escritórios da Presidência da República?

10. Continua achando necessária a existência de escritórios e ch…

Reformas políticas precisam ser mais claras

Por Fernando Henrique Cardoso
Sou favorável a uma reforma política. Ocorre que a Presidente Dilma propôs vagamente um debate sobre um plebiscito, sem especificar quais seriam as reformas a serem implementadas. Pela nossa Constituição, o Executivo não pode, nesta matéria, ter a iniciativa da convocação, para evitar o autoritarismo plebiscitário. O Congresso Nacional pode fazer Propostas de Emenda Constitucional (PECs) diretamente, introduzindo variadas reformas políticas. Mas, quais? A reforma poderá ser apenas superficial, alterando o financiamento das campanhas, ou mais profunda, estabelecendo o voto distrital, ou até mesmo acabando com a reeleição. Qualquer que seja o caminho seguido, apropriado seria, após a decisão do Congresso Nacional, submeter o resultado a um referendum popular. Ou, então, como parece propor a OAB, fazer plebiscitos específicos para nortear o Congresso sobre os parâmetros das reformas. Isso obviamente, consumirá o resto do tempo do mandato presidencial e terá r…

A ironia que festeja a liberdade de expressão de um povo. A tradução está embaixo

Se houver problemas na reprodução, tente este link:
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=tEdDg-a4qhk#at=32


Même pas peur

O título (uma expressão infantil, de criança que morre de medo mas posa de corajosa) diz "Sem medo mesmo". Sua colocação numa canção adulta realça a jovialidade, a alegria, também emoldura uma atitude de crítica mas que não busca o confronto violento. Todas as letras de Patrick vão nessa linha, incluída a já famosa "Ah si tu pouvais fermer ta gueule" (Ah se você pudesse calar a boca) que foi muito usada no youtube em referência bem direta ao vice-príncipe de Andorra e ex-presidente da França Nicolas Zarkozy.

Je suis le fou à clochettes  // Sou louco de pedra Je suis le bouffon du roi    // Sou o bobo da corte Je ne sais que faire la fête  // Sei lá de quem é a festa Je ne sais pas marcher droit  // Eu não sei andar certinho
Et je me moque des princes   // Eu gozo os príncipes Des marquis, des courtisans   // Os marqueses, os cortesão…

Sexo, pedofilia e protestos no Brasil governado por raposas

Como se manipula o povo

Agora, Barroso é um ponto fora da curva

A mesma lógica usada para o mensalão


Aécio Neves disse com precisão: "Dilma escolheu fazer um discurso que reproduz o tradicional jeitinho de fazer política no Brasil: empurrando os problemas para debaixo do tapete, fingindo que não tem nada a ver com o que está acontecendo, que é tudo responsabilidade dos outros, que só não fez melhor porque não foi permitido".

Em 2008, quando justificou o mensalão, o ministro Cardozo usou a mesma lógica. Dias atrás, Barroso, o novo indicado ao STF, repetiu a lógica ao dizer que mensalão foi um ponto fora da curva.

Agora, Barroso é um ponto fora da curva.

Zé Dirceu vetou sambista que homenageou Joaquim Barbosa

Por Eduardo Bohrer
Estou concluindo a leitura de "Dirceu - a biografia" de Otávio Cabral. Como é de se esperar, fiquei estarrecido e indignado com tudo o que li. Mas, já no finalzinho do livro, deparei com um fato que me derrubou o queixo.

Quem me conhece sabe que sempre fui frequentador do bar e restaurante Feitiço Mineiro, desde sua inauguração em 1989. Apesar das divergências políticas e ideológicas, sempre mantive um relacionamento cordial com seu proprietário Jorge Ferreira. 



Tradicionalmente, há alguns anos o reveillon do Feitiço Mineiro vinha sendo animado pelo sambista Noca da Portela. Eu mesmo passei mais de um reveillon no Feitiço. Apesar de me incomodar um pouco com a mania do Noca de inserir manifestações políticas no meio dos seus shows ("o nosso querido Fidel Castro", "o nosso amado Lula" e coisas assim) não há como negar que é um baita sambista e as festas de fim de ano no Feitiço sempre foram muito boas. Não fui ao reveillon passado porque d…

As mentiras dela na televisão

O aviso que vem de 1984

Por Ricardo Noblat
Trecho de abertura do livro O complô que elegeu Trancredo.

         Há duas Histórias do Brasil em 1984.

Uma — a que aconteceu. E a História da sucessão presidencial que, elegendo o oposicionista Tancredo Neves Presidente da República pelo voto indireto, fechou o ciclo de mandatos do regime militar e mudou, num movimento só, o governo, o regime e o país. Essa História todos conhecem, mesmo quem evitou olhar para ela de frente no momento em que passava pela política nacional, desdobrada num ano ruidoso e alegre de grandes comícios e de campanha popular praticamente ininterrupta. Outra — a que não aconteceu. É a História frustrada e turva — inclusive porque deliberadamente escondida por seus próprios autores — de manobras, conspirações e fantasias de golpes para desmarcar um encontro da política brasileira com a opinião pública. Quiseram, na sucessão do Governo João Figueiredo, preservar em condições artificiais uma dinastia militar que, com duas décadas de existência, a…

Nossos hábitos de leitura e acesso a informações

Teleblogtuitando, medias sem limites.

A torrente de imagens e sons que constrói o nosso modo de ver a vida.

"Mídias sem limites" é o título do livro escrito pelo americano Todd Gitlin, professor em Nova York, dono de um vasto currículo em sociologia e comunicação social.



http://cup.columbia.edu/static/interview-todd-gitlin

A história abaixo, que usei na postagem de ontem, foi o cafezinho para uma obra que significa muito mais do que uma "contação" de histórias.


O caso: "um guarda de fronteira está para se aposentar, não está desiludido mas um único caso o persegue. Trata-se de um motorista de caminhão que sempre levantou suas suspeitas. Na véspera do encerramento de suas atividades, o policial vê chegar o tal motorista. E abre o jogo: olha, vou me aposentar, você não corre mais nenhum risco. Só me esclarece uma coisa, eu sei que você é contrabandista, mas de qual produto você faz contrabando? O motorista responde: caminhões".


Essa história funciona como uma parábola sobre o nosso modo de ver e…

PT quer colocar seu carimbo, enfim

Welbi Maia Brito escreveu

PT determinou que CUT, MST, UNE, PCdoB, UJS participem hoje das manifestações. É o PT, como sempre, tentando se apropriar daquilo que não fez. Não duvido que estes provoquem confronto com a PM e outros manifestantes. Vamos aguardar.

Eduardo Graeff  comentou: "Correndo atras do prejuízo. Eles se acham os donos da rua".


Lucas Echimenco comentou: "Querem criar um clima de oposição à oposição da posição deles. Para Mula da Silva voltar bradando, que é o que ele sabe fazer. E esse pessoal que o PT MANDA ir pra rua é funcionário público, ou seja, com dinheiro do povo vão brincar de pega-pega.

Preço das passagens é o pãozinho com manteiga de algo que foi orquestrado

Como se inicia um movimento parece fácil de ver. Parece claro, a esta altura, que o valor das passagens dos transportes coletivos é apenas o elemento concreto ao qual se apegam os vários formatos de adesão a um movimento que se iniciou de maneira programada. Partidos de esquerda há dois anos vinham arregimentando, estimulando, com que dinheiro ainda não sabemos.

Os descontentes do PT certamente estão nisso. Eram parte das alas mais radicais, cada vez mais inconformadas com o fato de que o PT como partido se tornou igual àqueles partidos combatidos.

Mas desde as Memórias do Cárcere, de Graciliano Ramos, já se sabe a importância de dar voz a gemidos e reclamações solitárias, os quais vão num crescendo mudo. 

De repente, as tais vozes da rua começam a se fazer corpo e massa. 

Nesse sentido, há dois ensinamentos. 1) Usar aquele esquema APEOESP para fazer da avenida Paulista uma arma contra o governo do Estado não funciona mais. 2) Se o PT quer mesmo ganhar a eleição em 2014 precisará que Hadd…

Parece impossível explicar a essas criaturas

De Olavo de Carvalho:




“Do ponto de vista dos organizadores e líderes, o sentido do movimento é claro: acabou a fase de transição, de conchavos e acomodações; agora é o socialismo para valer e foda-se a primeira leva de revolucionários que nos conduziu até aqui. Para os participantes, exceto os bem treinados, que sabem a quem obedecem, o negócio pode significar o que bem desejem.

Nunca imaginei que a inteligência da massa universitária pudesse descer tão baixo. No Occupy Wall Street você não encontrará um único baderneiro que imagine estar participando de um movimento “apolítico”, que ignore tratar-se de iniciativa da esquerda radical. No Brasil, cada um atribui ao movimento como um todo a vontade pessoal que o anima por dentro. Porque o sujeito não se sente comunista, e participa do movimento, ele conclui que o movimento não é comunista. Parece impossível explicar a essas criaturas que um movimento político não é a confluência fortuita de emoções íntimas que, por casualidade, estavam na…

Quer conhecer um país fantástico. Assiste este vídeo

Sinal dos tempos. Nula da Silva refugiou-se no Facebook. Alguém até digitou para ele. Não mereceu mais do que uma nota de rodapé.

E por que numa passeata pacifica um grupo se desloca para o governo do Estado de São Paulo para arrebentar e provocar? A quem interessa, PT?

E fica mais ainda, visível mas não declarada. Não precisamos de militares governando este país. Há um povo se movendo, em silêncio, aprendendo.

Uma aula de história necessária em tempos de manifestações

Ritual de passagem? Nâo é bem assim. Se aguentar ver até o fim, o benefício será só seu










Fora Lula!

Partido que se especializou em mobilizações sindicais vai tentar tumultuar mais ainda o cenário. 
Aposta na sua embocadura de oposição para tentar obter o caixa do governo do estado de São Paulo na próxima eleição. É hora de ir para a rua. 
Quanto às consequências, você pode estar perguntando: mas então eles vão atirar no Haddad, no próprio pé? E por que acham que Nula da Silva escolheu postes a dedo?
Fora Lula! 
Não é presidente e manda nisto aqui como se fosse um boteco sindical.

Velhas mentiras, novas verdades

Fique em casa e pense, de olho no espetáculo das manifestações: assim caímos naquilo que o gigante poeta gaúcho Mário Quintana escreveu: "talvez para isso é que sirvam as novas gerações, para sustentar velhas mentiras. Pois que velhas mentiras sempre parecerão ser novas verdades."

Uma cidade sequestrada

Por Lucas Echimenco

Eram 19h09 quando os sinais da avenida Paulista mudaram de mãos. A menos de dois quilômetros dali, perigosamente no horário de pico e de grande movimento no metrô, com trânsito parado, o alarido chegou com o já velho slogan: O povo unido.... blá blá blá.

Era o ponto mais calmo da manifestação que na quinta-feira, 13, parou São Paulo a partir da região central. Quando o grosso dos estudantes chegou à rua Augusta, a Polícia resolveu fazer aquilo que já era para ter feito. Havia um planejamento que dizia aos policiais que a manifestação não poderia chegar à avenida Paulista.

Aos bandos, os estudantes avançaram para logo em seguida recuar, movidos pelo pelotão de frente da Polícia Militar, em formação ombro-a-ombro, escudos, longos cassetetes e muita bomba de gás lacrimogêneo.



Os estudantes bateram em retida para dois lados, ambos pela rua Augusta. Comerciantes e restaurantes foram fechando suas portas numa rapidez de cinema. Motoristas faziam meia-volta na Augusta e te…

Da morte apenas nascemos

Para isso fomos feitos:

Para lembrar e ser lembrados

Para chorar e fazer chorar

Para enterrar os nossos mortos —

Por isso temos braços longos para os adeuses

Mãos para colher o que foi dado

Dedos para cavar a terra.

Assim será nossa vida:

Uma tarde sempre a esquecer

Uma estrela a se apagar na treva

Um caminho entre dois túmulos —

Por isso precisamos velar

Falar baixo, pisar leve, ver

A noite dormir em silêncio.

Não há muito o que dizer:

Uma canção sobre um berço

Um verso, talvez de amor

Uma prece por quem se vai —

Mas que essa hora não esqueça

E por ela os nossos corações

Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos:

Para a esperança no milagre

Para a participação da poesia

Para ver a face da morte —

De repente nunca mais esperaremos...

Hoje a noite é jovem; da morte, apenas

Nascemos, imensamente.
Vinicius de Moraes