Avançar para o conteúdo principal

A santa Maria Joana, enfim.

No caminho de volta há sempre uma entrevista pomposa. Padre, médico, astronauta, cantor, ator, não há remédio, aparecerão dizendo aquelas frases de sempre no programa da Ana Maria das Oliveiras Traz-os-Montes Que o Tejo Se Mude para Sento-Sé. Esses e seus contrapartes femininos, sendo parte os homens, sendo contrapartes as mulheres, mas isso foi há muito tempo. Surgiram depois diversos géneros, ora pois, que de calças compridas andavam até as tampas e de calcinha e soutien reclamavam os diversos sexos, todos eles da contraparte quando em estado de remanso. 

E por que haveria de ser diferente com Maria Joana, aquela que nasceu para ser ninguém, viveu sendo quase isso, morreu sem saber de nada disso? Muitos desses já morreram, que o anonimato é uma forma de morte. Mas que tenha havido alarido público, passeata histérica numa avenida paulista, ah! não! senhor doutore, isto somente Maria Joana tem, ou acha que tem.

De que morte morrida sofreu a senhoira?

Bain, disse MJ, ja sotaqueando os lusos bem lusófonos, eu estava indo ao atrevimento e sofri a desventura de dormir mal. Quando acurdei, já não estava cá, mas lá, bem para lá de lá, que lá é um lugar muito longe. 

E como identificou a lonjura do lá? 

Bain, defrontei-me com um anjo bestial à altura do terceiro minuto. Quieto ele... Olhou assim com um olhar de escocês sem boina, como que dando a entender que o caminho era aquele mesmo.

E o que fez a senhora menina?

Bain, fui e fui. Lá pelo décimo minuto comecei a achar tudo muito estranho. Havia umas luzes, um túnel que não era túnel, um corredor arredondado que parecia viajar junto com o viajante, enfim, um corredor que não era corredor.

Ouviu algum canto ritmado, um tocar de trombetas ou de oboés?

Bain, não me foi possível ouvir nada, nem cantos, nem obas, opas, nada disso. Por que haveria? Percebi logo tratar-se dum lugar santo, sagrado, sagradíssimo.

E qual foi o elemento sagrado deflagrador da percepção?

Bain, pois está claro, Deus. 

E como é Deus?

Bain, Deus é Deus, nunca envelhece, tem um rosto perfeito, queijo forte, ulhar profundo, lábios macios, cabeleira bem-posta.

Mas como, Deus usa capachinho?

Bain, não destes que vemos cá, mas dalgum tecido diferente somentemente encontrado lá, parecendo carregar luz, com devolteios transbordantes, uns tais que não levam menos de duas horas ao toucador.

A esta altura, a entrevista foi como que interrompida. As risadas ecoavam à calcaporra, uma espécie de perdona ahora que mañana ayunaremos. Deus ao toucador.... Duas horas de santidade ao espelho por dia.... 

Voltaremos direto de onde... de onde mesmo?

http://lucasechimenco.blogspot.com/2013/05/a-primeira-entrevista-da-primeira_27.html

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O complexo de Édipo na política brasileira

Por Nelson Prado Rocchi

Uma introdução ao Complexo de Édipo aplicado à política. Publiquei este texto antes do impeachment da Dilma. A Lava Jato ainda não existia e nem havia estourado o Petrolão.

Advogo aqui em favor de um fenômeno, o restabelecimento da Lei do Pai, uma lei psicológica que governa os humanos acima e abaixo das racionalizações, vigendo (vigorando) desde muito antes do surgimento das Constituições Nacionais trazidas no bojos dos movimentos fundantes, como as Revoluções Americana e Francesa.


VIOLÊNCIA CAÓTICA - ÉDIPO - LEI DO PAI - PACTO SOCIAL

Nosso primeiro amor foi nossa mãe. Ela foi nossa Deusa. O menino, para seu desgosto, ao redor dos 2 anos, descobre que existem dois sexos e que ele é um menino, alguém como o pai. Ele não pertence ao gênero sexual da Deusa, ele é de um gênero inferior.

Homens passam a vida querendo pegar, apalpar o corpo das mulheres, substitutas da Deusa perdida. A identificação do menino com o pai nessa idade ajuda o menino a escapar do poder avassa…

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …

O Jair que existe e o que não existe

Estou há semanas querendo tocar em assuntos que não são exatamente sobre política, mas sobre comportamento. Infelizmente vivemos uma era onde achar alguma coisa ofende, não concordar com os intelectuais do Projac te exclui de muita coisa e não ser uma samambaia te prejudica com anunciantes. Enfim, foda-se.

Eu quero falar sobre Jair Bolsonaro.
Antes de mais nada, para validar minha opinião com os psicopatas, devo registrar que meu voto no primeiro turno será em João Amoedo. É o candidato que me identifico mais com as idéias e propostas. Ponto final.
Ah mas então você não vota no Bolsonaro? Voto, claro que voto. No segundo turno contra PT, PSDB, Marina, Ciro, Boulos… voto fácil.
E não, não voto cheio de dedos ou vergonha do que vilão que a mídia criou, nem do super-herói que outros esperam.

O Brasil é um garotinho perdido sem identidade, sem coragem e sem noção. Todo garoto assim quer um super herói para ajuda-lo, não um caminho longo para seguir. Jair é o herói de muita gente, como Lula f…