Enfim, 2016. Zeus apagará a luz?

Com o bolsa-famélia no valor de 1 200 Tadados, o Enfim, nome de um território terrestre, viu e viveu em 2014 e em 2015 uma espécie de delírio de festas e promessas de crescimento sem precedentes na história do universo.

Ficarão os humanos presos nas unhas de Zeus?
Mas neste primeiro mês de 2016 há no horizonte possível um sinal que pode ser de alerta máximo e que, como ocorre com todo aviso, chega tarde demais.

Corria o período final de campanha política de 2014. Num lance ao mesmo tempo genial e cruel, o Partido que Corria por Fora prometeu majorar o valor do bolsa-famélia pelo seu número de face, absoluto. Nada de índices de correção mensal, estomacal ou avangélico, que de messiáticos o mundo andava com a paciência em estado de... inchação.

Já o Partido que Corria por Dentro dobrou a aposta e saiu cantando em prosa, verso e manchetes bem-pagas, e com todas as turbinas da máquina, aquela que dá de mamar a todos os que correm por dentro, ligadas.

Assim, o bolsa-famélicos, outro nome adotado por ironia, subiria para 1 800 Tadados.

Tanto subiria que subiu.

Dessa forma, quando 2015 se apresentou no balcão, o clima geral era de que, finalmente, o Enfim deixaria toda a sua população rica, ainda que fosse apenas pelas visões de quem, de dentro, assume somente a lógica da sua própria noção.

Mas pouca gente sabia que 2015 também trazia escondida a conta a ser paga. Mas numa época como essa, gente que sabe prefere calar. Há enorme turba recebendo migalhas e essas migalhas, se perdidas, viram pedras e pedras produzem apedrejamentos.

Até Zeus seria malhado em praça pública se ousasse dizer o que as gentes que sabem dissessem o que sabiam.

Nem sabiam algo que somente Zeus soubesse. Sabiam, por exemplo, que 2 mais 2 dá precisamente 4. E não havia jeito de fazer a conta do 2 fechar com as contas do bolsa-famélia.

Outras contas estavam no meio do caminho. Mas a população não podia ficar preocupada em fazer contas. O importante era acreditar que por dentro de tudo estava quem prometia manter tudo dentro do prometido.

Mas como se sabe, o prometido um dia é o inverso do prometido no dia seguinte.

Bastará apenas um boato envolvendo o bolsa-famélia para que 2016 seja o ano do esplendor de Zeus. Pois somente Zeus restará inteiro no universo de todo um país continente.

O último ponto de sustentação de noções de justiça deslizaram partido de dentro abaixo quando pessoas simples acreditaram em magistrados de pouco horizonte, muitos interesses e muitos compadrios, que se apossaram de uma importante entidade. Acreditaram sem entender uma palavra.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Levantar a ponta do véu da saúde mostra que a noiva está sem calcinha

O complexo de Édipo na política brasileira

O que o PSDB precisa fazer para ser PSDB?