Avançar para o conteúdo principal

Teleblogtuitando, medias sem limites.

A torrente de imagens e sons que constrói o nosso modo de ver a vida.

"Mídias sem limites" é o título do livro escrito pelo americano Todd Gitlin, professor em Nova York, dono de um vasto currículo em sociologia e comunicação social.



http://cup.columbia.edu/static/interview-todd-gitlin

A história abaixo, que usei na postagem de ontem, foi o cafezinho para uma obra que significa muito mais do que uma "contação" de histórias.


O caso: "um guarda de fronteira está para se aposentar, não está desiludido mas um único caso o persegue. Trata-se de um motorista de caminhão que sempre levantou suas suspeitas. Na véspera do encerramento de suas atividades, o policial vê chegar o tal motorista. E abre o jogo: olha, vou me aposentar, você não corre mais nenhum risco. Só me esclarece uma coisa, eu sei que você é contrabandista, mas de qual produto você faz contrabando? O motorista responde: caminhões".


Essa história funciona como uma parábola sobre o nosso modo de ver e viver com as tais "midias" sociais. E outro tópico necessário logo vem à tona, na página 15:


Diz Gitlin: "De forma oblíqua e não intencional, aludimos à maior verdade sobre as mídias com um erro gramatical. Costumamos dizer a mídia, no singular. Adeptos da gramática (como este autor) se arrepiam quando as próprias mídias ou os universitários nelas (ou nela) criados falam a mídia como se dissessem o céu".


Reagimos como se uma grande mente, una e indivisível, operasse todos os controles da comunicação social, vendo PIGs e Parties em toda parte, sufocando as ações específicas, atrelando a ação individual a um e somente um arranjo conceitual, simplista e medíocre e, claro, afastando a possibilidade de uma percepção mais realista.




O livro foi lançado no Brasil
pela Civilização Brasileira


A busca por estímulos


É o contrabando da imagem naturalizando a forma de ver a imagem. Logo, a virtualidade é um dos assuntos enfocados no livro. O autor mostra como não há nada de novo na ideia de alguém se fazer acompanhar como estando próximo por aquilo que está absolutamente distante, apenas que mediado, hoje, por meios e aparelhagens eletrônicas.


Gitlin correlaciona esse fator ao que ele chama de cultivo de sentimentos contraditórios. São o fruto da nossa busca por sentimentos que compensem nossa extrema aceitação dos processos de disciplina que nos cercam. E, assim, entramos numa busca constante por estímulos.


E a religião não é a salvação, se é que o termo salvação tem mesmo alguma serventia. Mesmo quem se ocupa das artes e ritualísticas religiosas está, na verdade, realimentando a "torrente das mídias". Não constitui surpresa a igreja ter feito da televisão uma extensão de púlpitos e naves e de ter a própria igreja física virado casa de rock ou simulacro de casa de shows.


Invasores de sentimentos


E Gitlin mostra como, na história das comunicações humanas, a religião ganhou o peso e força que tem, precisamente pelo fato de ter sido "a primeira forma de diversão dos seres humanos". Pense numa sociedade regrada pelas horas dedicadas a plantar, colher, moer, limpar, cavar, montar, comer, nivelar, trancar, pastorear, deitar e, ufa!, dormir. A única hora possível para "nada fazer" era na igreja mesmo.


Escrito no início dos anos 2000, o livro mostra fenômenos sociais já presentes no cotidiano dos nova-iorquinos que somente agora são visíveis no Brasil, como a "onda" de pessoas que trafegam com seus carros com o som a mil decibéis, a qualquer hora do dia, de manhã ou de madrugada. "São os invasores dos nossos sentimentos", precisando alimentar novos sentimentos.


Contrabandeando diversão, as mídias nos fizeram crer num mundo autóctone, aparentemente sem opção.


Mas esse mundo é altamente manipulável, vemos hoje, 11 anos à frente. O jornalista Elio Gaspari escreveu ontem no portal dele: "estamos nos enchendo de tecnologia para entrar no futuro sem sair do passado".


O modo como as mídias modificam a natureza da observação é tão irresistível que levou certo resenhador, num artigo de 2002, a se perguntar sobre o livro: "Is a book like Media Unlimited disease or diagnosis?" (Um livro como Media Sem Limites é uma doença ou um diagnóstico?).



Na verdade, Gitlin sabe que o livro não é uma doença. O que ele faz, como poucos autores têm coragem de fazer, é perguntar-se se a presença das mídias chega a ser tão visceral que mesmo uma consciência crítica sucumbe ante seus encantos.


Seus livros posteriores procuram ampliar a escavação em busca do graal da melhor noção de como reagir a essa torrente que subjuga nosso modo de viver e de ver a vida.


Façam suas apostas. Quem consegue ficar 5 minutos sem desejar ver ou fazer alguma coisa motivada por algo que não seja teleblogtuitado? É a invasão da comunicação total, simultânea, de todos para todos mesmo para quem não quer, de todos os lados e em todas as direções.


A alavanca corporativa


O rigor de Gitlin, natural num pensador assumidamente de esquerda numa sociedade como a norte-americana, tenta abarcar fenômenos que produzem resultados mais visíveis, mas nem sempre ao alcance do senso comum, eis uma chave pela qual se orienta a leitura do livro quase dez anos após seu lançamento.


Mas Gitlin não alcançou a onda do Twitter como o fenômeno que vivemos hoje, não nessa obra. Por isso, não será nessa leitura que os acontecimentos mais atuais estarão analisados, como o twitter, um dos mais ativos frutos dessa comunicação total, alardeante, misturada de serviço e de fofoca, altamente pilotado por alavancas corporativas não muito claramente assumidas, ainda em estado de disfarce, de manipulação mesmo.


PS:

"Mídias sem limite", de Todd Gitlin, pode ser lido em paralelo com outro livro, "O declínio da vida pública - as tiranias da vida cotidiana", de Richard Sennett.


E para uma leitura que faça a ponte entre tempos remotos e recentes, leia A sociedade do espetáculo, de Guy Debord, escrito em 1967. Debord morreu em 1994, deixou um estilo raro de escrever. Seus tópicos são todos numerados. Eis o de número 4: "O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre pessoas, mediatizada por imagens".


O livro pode ser baixado em pdf neste endereço:

http://www.arq.ufsc.br/esteticadaarquitetura/debord_sociedade_do_espetaculo.pdf

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Levantar a ponta do véu da saúde mostra que a noiva está sem calcinha

Por Alexandre Graviloff

A falta de dinheiro para a Saúde é gritante. O que o Brasil investe não sustenta um sistema complexo como o SUS. Mas a falta de grana, por mais grave que seja, não é a mais importante. Quase nenhum sistema de Saúde tem boa gestão. Se o orçamento da Saúde dobrar, assim, na maior, de hoje para amanhã, da forma como o sistema funciona hoje, haverá desperdício. O Brasil vai jogar dinheiro fora. 
Os governantes iriam construir um monte de hospital. Isso não resolve o problema. Precisamos de mais grana, mas antes precisamos saber como usar bem essa grana. Enquanto não tivermos um sistema de atenção primária funcionando adequadamente, o diagnóstico dos hipertensos e diabéticos continuará a ser feito apenas quando ele chega a uma emergência. É uma irracionalidade porque isso é pior para o paciente e mais caro para o sistema. 
Outro grande problema da administração direta é a área de recursos humanos. Tem gente imbecil que acha que o problema é salário. Aí aumenta o salári…

O complexo de Édipo na política brasileira

Por Nelson Prado Rocchi

Uma introdução ao Complexo de Édipo aplicado à política. Publiquei este texto antes do impeachment da Dilma. A Lava Jato ainda não existia e nem havia estourado o Petrolão.

Advogo aqui em favor de um fenômeno, o restabelecimento da Lei do Pai, uma lei psicológica que governa os humanos acima e abaixo das racionalizações, vigendo (vigorando) desde muito antes do surgimento das Constituições Nacionais trazidas no bojos dos movimentos fundantes, como as Revoluções Americana e Francesa.


VIOLÊNCIA CAÓTICA - ÉDIPO - LEI DO PAI - PACTO SOCIAL

Nosso primeiro amor foi nossa mãe. Ela foi nossa Deusa. O menino, para seu desgosto, ao redor dos 2 anos, descobre que existem dois sexos e que ele é um menino, alguém como o pai. Ele não pertence ao gênero sexual da Deusa, ele é de um gênero inferior.

Homens passam a vida querendo pegar, apalpar o corpo das mulheres, substitutas da Deusa perdida. A identificação do menino com o pai nessa idade ajuda o menino a escapar do poder avassa…

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …