Avançar para o conteúdo principal

A euforia paralisante do pré-sal

Por José Aníbal


Em outubro a Petrobras completa 60 anos. Depois de realizar o mais difícil, que era crescer e se internacionalizar, a gigante brasileira voltou a andar para trás. Toda semana sai notícia sobre um novo pedaço da estatal sendo faturado no exterior.
Sacrificada por administrações temerárias, a Petrobras encolheu, endividou-se, perdeu força e mercado. Sem resultados reais para mostrar, decidiu alterar subitamente seu regime de contabilidade.
No ano 2000, um corajoso plano de internacionalização da empresa foi colocado em andamento. Competitiva, eficiente e com saúde financeira crescente, a Petrobras adquiriu ativos no exterior que fizeram dela líder em exploração e produção de petróleo na América Latina.

Em 2007, os negócios da Área Internacional cobriam 26 países em três continentes -- da Argentina à Angola, dos Estados Unidos ao Senegal, de Cingapura ao Paquistão. A Petrobras detinha 13.174 poços produtores, 112 plataformas, 189 navios e quase seis mil postos de venda.

Então veio a euforia paralisante do pré-sal. O país suspendeu o ritmo de expansão da atividade, congelou investimentos em produção, desligando da tomada a vibrante companhia. Pararam tudo para repensar as regras que fizeram da estatal dinâmica e agressiva.
Poços se esgotaram, encomendas atrasaram, investimentos propagandeados como estratégicos tornaram-se sacos sem fundos de recursos públicos. Pior: fizeram da Petrobras parceira de grandes loroteiros internacionais.

Também tiveram a genial ideia de fabricar o preço da gasolina. Não bastasse a bolha inflacionária gestada, os prejuízos com importação de combustível bateram R$ 23 bilhões em 2012 (e seguem crescendo).
Com a maior alavancagem de sua história e com o Real derretendo diante do dólar (no momento em que escrevo este artigo a cotação ultrapassou R$ 2,40), a Petrobras preocupa.
De Petrossauro, a gigante brasileira passou a ser vista como a companhia que reinventou o setor. A regressão que se seguiu é lamentável neste mundo de alternativas e oportunidades cada vez mais escassas.
Quem conhece a história sabe. Primeiro vieram o aço, a energia elétrica e o petróleo. Depois deles veio a indústria e então nasceu o Brasil contemporâneo. A Petrobras é um dos motores do desenvolvimento econômico que tanto melhorou a vida dos brasileiros. E seu papel para o futuro será ainda mais decisivo.
Vítima de irracionalidades próprias do uso político que se fez da companhia, a Petrobras vai se afastando cada vez mais das líderes mundiais, a despeito dos esforços genuínos empreendidos pela atual diretoria.


José Aníbal é economista e secretário de Energia de São Paulo

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Levantar a ponta do véu da saúde mostra que a noiva está sem calcinha

Por Alexandre Graviloff

A falta de dinheiro para a Saúde é gritante. O que o Brasil investe não sustenta um sistema complexo como o SUS. Mas a falta de grana, por mais grave que seja, não é a mais importante. Quase nenhum sistema de Saúde tem boa gestão. Se o orçamento da Saúde dobrar, assim, na maior, de hoje para amanhã, da forma como o sistema funciona hoje, haverá desperdício. O Brasil vai jogar dinheiro fora. 
Os governantes iriam construir um monte de hospital. Isso não resolve o problema. Precisamos de mais grana, mas antes precisamos saber como usar bem essa grana. Enquanto não tivermos um sistema de atenção primária funcionando adequadamente, o diagnóstico dos hipertensos e diabéticos continuará a ser feito apenas quando ele chega a uma emergência. É uma irracionalidade porque isso é pior para o paciente e mais caro para o sistema. 
Outro grande problema da administração direta é a área de recursos humanos. Tem gente imbecil que acha que o problema é salário. Aí aumenta o salári…

O complexo de Édipo na política brasileira

Por Nelson Prado Rocchi

Uma introdução ao Complexo de Édipo aplicado à política. Publiquei este texto antes do impeachment da Dilma. A Lava Jato ainda não existia e nem havia estourado o Petrolão.

Advogo aqui em favor de um fenômeno, o restabelecimento da Lei do Pai, uma lei psicológica que governa os humanos acima e abaixo das racionalizações, vigendo (vigorando) desde muito antes do surgimento das Constituições Nacionais trazidas no bojos dos movimentos fundantes, como as Revoluções Americana e Francesa.


VIOLÊNCIA CAÓTICA - ÉDIPO - LEI DO PAI - PACTO SOCIAL

Nosso primeiro amor foi nossa mãe. Ela foi nossa Deusa. O menino, para seu desgosto, ao redor dos 2 anos, descobre que existem dois sexos e que ele é um menino, alguém como o pai. Ele não pertence ao gênero sexual da Deusa, ele é de um gênero inferior.

Homens passam a vida querendo pegar, apalpar o corpo das mulheres, substitutas da Deusa perdida. A identificação do menino com o pai nessa idade ajuda o menino a escapar do poder avassa…

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …