Avançar para o conteúdo principal

A mesmice sem sal nem açúcar do PSB-Rede


Por Rubens FigueiredoConheça-o clicando aqui
Publicado originalmente no Estadão de 29 de novembro de 2013.


O documento do PSB-Rede decepciona. Uma mistura de diagnóstico e um enunciado genérico de intenções, passa a nítida sensação do "dèja-vu". Pode parecer incrível, mas para quem se propõe a ser o novo e gera tanta expectativa, falar em "universalização da educação", "redução das desigualdades regionais", "práticas atrasadas na política" e garantia aos direitos humanos é tão empolgante quanto dançar com a irmã no baile.

Além disso, a proposta aborda superficialmente duas grandes questões fundamentais. Uma, é o nosso modelo de desenvolvimento, que está levando à involução da nossa economia. Outro, é o papel central que a educação necessariamente deverá ter no nosso futuro imediato. O documento reserva tímidas oito linhas ao tema.

O texto traz frases de fazer inveja a uma letra do Djavan: o que significará, por exemplo, "observância às diferentes ordens de transversalidade"? Em outro trecho, ensina que a autonomia popular é um dos "elementos estruturantes". Imagine o que o brasileiro médio pode pensar dessas coisas.

O documento aponta o destino e não faz referência ao caminho. É de se elogiar a preocupação com a reforma urbana e de aproveitar as potencialidades do mundo digital para aprofundar a democracia. Felizmente, o partido socialista e a rede são bastantes conservadores no que interessa: melhorar o ambiente dos negócios, com defesa da responsabilidade fiscal, atenção à política monetária e câmbio flutuante. Não tem nada de novo - mas que é interessante vindo de onde vem, isso é.

Rubens Figueiredo é cientista político, diretor do Cepac - Pesquisa e Comunicação

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …

O Jair que existe e o que não existe

Estou há semanas querendo tocar em assuntos que não são exatamente sobre política, mas sobre comportamento. Infelizmente vivemos uma era onde achar alguma coisa ofende, não concordar com os intelectuais do Projac te exclui de muita coisa e não ser uma samambaia te prejudica com anunciantes. Enfim, foda-se.

Eu quero falar sobre Jair Bolsonaro.
Antes de mais nada, para validar minha opinião com os psicopatas, devo registrar que meu voto no primeiro turno será em João Amoedo. É o candidato que me identifico mais com as idéias e propostas. Ponto final.
Ah mas então você não vota no Bolsonaro? Voto, claro que voto. No segundo turno contra PT, PSDB, Marina, Ciro, Boulos… voto fácil.
E não, não voto cheio de dedos ou vergonha do que vilão que a mídia criou, nem do super-herói que outros esperam.

O Brasil é um garotinho perdido sem identidade, sem coragem e sem noção. Todo garoto assim quer um super herói para ajuda-lo, não um caminho longo para seguir. Jair é o herói de muita gente, como Lula f…

Fala, Bolsonaro. Simplicidade e clareza, a marca do homem que incomoda os corruptos do Brasil