Avançar para o conteúdo principal

A mesmice sem sal nem açúcar do PSB-Rede


Por Rubens FigueiredoConheça-o clicando aqui
Publicado originalmente no Estadão de 29 de novembro de 2013.


O documento do PSB-Rede decepciona. Uma mistura de diagnóstico e um enunciado genérico de intenções, passa a nítida sensação do "dèja-vu". Pode parecer incrível, mas para quem se propõe a ser o novo e gera tanta expectativa, falar em "universalização da educação", "redução das desigualdades regionais", "práticas atrasadas na política" e garantia aos direitos humanos é tão empolgante quanto dançar com a irmã no baile.

Além disso, a proposta aborda superficialmente duas grandes questões fundamentais. Uma, é o nosso modelo de desenvolvimento, que está levando à involução da nossa economia. Outro, é o papel central que a educação necessariamente deverá ter no nosso futuro imediato. O documento reserva tímidas oito linhas ao tema.

O texto traz frases de fazer inveja a uma letra do Djavan: o que significará, por exemplo, "observância às diferentes ordens de transversalidade"? Em outro trecho, ensina que a autonomia popular é um dos "elementos estruturantes". Imagine o que o brasileiro médio pode pensar dessas coisas.

O documento aponta o destino e não faz referência ao caminho. É de se elogiar a preocupação com a reforma urbana e de aproveitar as potencialidades do mundo digital para aprofundar a democracia. Felizmente, o partido socialista e a rede são bastantes conservadores no que interessa: melhorar o ambiente dos negócios, com defesa da responsabilidade fiscal, atenção à política monetária e câmbio flutuante. Não tem nada de novo - mas que é interessante vindo de onde vem, isso é.

Rubens Figueiredo é cientista político, diretor do Cepac - Pesquisa e Comunicação

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Levantar a ponta do véu da saúde mostra que a noiva está sem calcinha

Por Alexandre Graviloff

A falta de dinheiro para a Saúde é gritante. O que o Brasil investe não sustenta um sistema complexo como o SUS. Mas a falta de grana, por mais grave que seja, não é a mais importante. Quase nenhum sistema de Saúde tem boa gestão. Se o orçamento da Saúde dobrar, assim, na maior, de hoje para amanhã, da forma como o sistema funciona hoje, haverá desperdício. O Brasil vai jogar dinheiro fora. 
Os governantes iriam construir um monte de hospital. Isso não resolve o problema. Precisamos de mais grana, mas antes precisamos saber como usar bem essa grana. Enquanto não tivermos um sistema de atenção primária funcionando adequadamente, o diagnóstico dos hipertensos e diabéticos continuará a ser feito apenas quando ele chega a uma emergência. É uma irracionalidade porque isso é pior para o paciente e mais caro para o sistema. 
Outro grande problema da administração direta é a área de recursos humanos. Tem gente imbecil que acha que o problema é salário. Aí aumenta o salári…

O complexo de Édipo na política brasileira

Por Nelson Prado Rocchi

Uma introdução ao Complexo de Édipo aplicado à política. Publiquei este texto antes do impeachment da Dilma. A Lava Jato ainda não existia e nem havia estourado o Petrolão.

Advogo aqui em favor de um fenômeno, o restabelecimento da Lei do Pai, uma lei psicológica que governa os humanos acima e abaixo das racionalizações, vigendo (vigorando) desde muito antes do surgimento das Constituições Nacionais trazidas no bojos dos movimentos fundantes, como as Revoluções Americana e Francesa.


VIOLÊNCIA CAÓTICA - ÉDIPO - LEI DO PAI - PACTO SOCIAL

Nosso primeiro amor foi nossa mãe. Ela foi nossa Deusa. O menino, para seu desgosto, ao redor dos 2 anos, descobre que existem dois sexos e que ele é um menino, alguém como o pai. Ele não pertence ao gênero sexual da Deusa, ele é de um gênero inferior.

Homens passam a vida querendo pegar, apalpar o corpo das mulheres, substitutas da Deusa perdida. A identificação do menino com o pai nessa idade ajuda o menino a escapar do poder avassa…

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …