Avançar para o conteúdo principal

A produção em massa de pseudônimos nas redes sociais


Por Demetrio Magnoli

Você sabe o que é MAV? Inventada no 4º Congresso do PT, em 2011, a sigla significa Militância em Ambientes Virtuais. São núcleos de militantes treinados para operar na internet, em publicações e redes sociais, segundo orientações partidárias. A ordem é fabricar correntes volumosas de opinião articuladas em torno dos assuntos do momento. Um centro político define pautas, escolhe alvos e escreve uma coleção de frases básicas. Os militantes as difundem, com variações pequenas, multiplicando suas vozes pela produção em massa de pseudônimos. No fim do arco-íris, um Pensador Coletivo fala a mesma coisa em todos os lugares, fazendo-se passar por multidões de indivíduos anônimos. Você pode não saber o que é MAV, mas ele conversa com você todos os dias.

A MAV conversa com 
você todos os dias

O Pensador Coletivo se preocupa imensamente com a crítica ao governo. Os sistemas políticos pluralistas estão sustentados pelo elogio da dissonância: a crítica é benéfica para o governo porque descortina problemas que não seriam enxergados num regime monolítico. O Pensador Coletivo não concorda com esse princípio democrático: seu imperativo é rebater a crítica imediatamente, evitando que o vírus da dúvida se espalhe pelo tecido social. Uma tática preferencial é acusar o crítico de estar a serviço de interesses de malévolos terceiros: um partido adversário, "a mídia", "a burguesia", os EUA ou tudo isso junto. É que, por sua própria natureza, o Pensador Coletivo não crê na hipótese de existência da opinião individual.

O Pensador Coletivo abomina argumentos específicos. Seu centro político não tem tempo para refletir sobre textos críticos e formular réplicas substanciais. Os militantes difusores não têm a sofisticação intelectual indispensável para refrasear sentenças complexas. Você está diante do Pensador Coletivo quando se depara com fórmulas genéricas exibidas como refutações de argumentos específicos. O uso dos termos "elitista", "preconceituoso" e "privatizante", assim como suas variantes, é um forte indício de que seu interlocutor não é um indivíduo, mas o Pensador Coletivo.

Ombudsman da Folha 
virou Censora?


O Pensador Coletivo interpreta o debate público como uma guerra. "A guerra de guerrilha na internet é a informação e a contrainformação", explica o deputado André Vargas, um chefe do MAV. No seu mundo ideal, os dissidentes seriam enxotados da praça pública. Como, no mundo real, eles circulam por aí, a alternativa é pregar-lhes o rótulo de "inimigos do povo". Você provavelmente conversa com o Pensador Coletivo quando, no lugar de uma resposta argumentada, encontra qualificativos desairosos dirigidos contra o autor de uma crítica cujo conteúdo é ignorado. "Direitista", "reacionário" e "racista" são as ofensas do manual, mas existem outras. Um expediente comum é adicionar ao impropério a acusação de que o crítico "dissemina o ódio".



O Pensador Coletivo é uma máquina política regida pela lógica da eficiência, não pela ética do intercâmbio de ideias. Por isso, ele nunca se deixa intimidar pela exigência de consistência argumentativa. Suzana Singer seguiu a cartilha do Pensador Coletivo ao rotular o colunista Reinaldo Azevedo como um "rottweiler feroz" para, na sequência, solicitar candidamente um "bom nível de conversa". Nesse passo, trocou a função de ombudsman da Folha pela de Censora de Opinião. Contudo, ela não pertence ao MAV. Os procedimentos do Pensador Coletivo estão disponíveis nas latas de lixo de nossa vida pública: mimetizá-los é, apenas, uma questão de gosto.

Existem similares ao MAV em outros partidos? O conceito do Pensador Coletivo ajusta-se melhor às correntes políticas que se acreditam possuidoras da chave da porta do Futuro. Mas, na era da internet, e na hora de uma campanha eleitoral, o invento será copiado. Pense nisso pelo lado bom: identificar robôs de opinião é um joguinho que tem a sua graça.

Demétrio Magnoli é sociólogo, doutor em Geografia Humana pela USP. Texto publicado originalmente na Folha de São Paulo

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Levantar a ponta do véu da saúde mostra que a noiva está sem calcinha

Por Alexandre Graviloff

A falta de dinheiro para a Saúde é gritante. O que o Brasil investe não sustenta um sistema complexo como o SUS. Mas a falta de grana, por mais grave que seja, não é a mais importante. Quase nenhum sistema de Saúde tem boa gestão. Se o orçamento da Saúde dobrar, assim, na maior, de hoje para amanhã, da forma como o sistema funciona hoje, haverá desperdício. O Brasil vai jogar dinheiro fora. 
Os governantes iriam construir um monte de hospital. Isso não resolve o problema. Precisamos de mais grana, mas antes precisamos saber como usar bem essa grana. Enquanto não tivermos um sistema de atenção primária funcionando adequadamente, o diagnóstico dos hipertensos e diabéticos continuará a ser feito apenas quando ele chega a uma emergência. É uma irracionalidade porque isso é pior para o paciente e mais caro para o sistema. 
Outro grande problema da administração direta é a área de recursos humanos. Tem gente imbecil que acha que o problema é salário. Aí aumenta o salári…

O complexo de Édipo na política brasileira

Por Nelson Prado Rocchi

Uma introdução ao Complexo de Édipo aplicado à política. Publiquei este texto antes do impeachment da Dilma. A Lava Jato ainda não existia e nem havia estourado o Petrolão.

Advogo aqui em favor de um fenômeno, o restabelecimento da Lei do Pai, uma lei psicológica que governa os humanos acima e abaixo das racionalizações, vigendo (vigorando) desde muito antes do surgimento das Constituições Nacionais trazidas no bojos dos movimentos fundantes, como as Revoluções Americana e Francesa.


VIOLÊNCIA CAÓTICA - ÉDIPO - LEI DO PAI - PACTO SOCIAL

Nosso primeiro amor foi nossa mãe. Ela foi nossa Deusa. O menino, para seu desgosto, ao redor dos 2 anos, descobre que existem dois sexos e que ele é um menino, alguém como o pai. Ele não pertence ao gênero sexual da Deusa, ele é de um gênero inferior.

Homens passam a vida querendo pegar, apalpar o corpo das mulheres, substitutas da Deusa perdida. A identificação do menino com o pai nessa idade ajuda o menino a escapar do poder avassa…

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …