Avançar para o conteúdo principal

Isonomia versus meritocracia

Um governo iníquo paga mais a quem sabe menos

            
Por Salvatore D' Onofrio


A leitura da entrevista do professor peruano César Camacho, coordenador da Olimpíada Brasileira de Matemática (“Quanto mais competição, melhor”, Veja 13/11), enseja relevar que isonomia e meritocracia, mais do que conceitos opositivos, são complementares, não excludentes. A palavra isonomia vem do grego “iso" (igual) + "nomos" (lei), significando a obrigação de remunerar com a mesma quantia de dinheiro trabalhos idênticos ou muito semelhantes. Não é justo que uma professora do ensino primário de uma cidade ganhe menos de uma colega de município ou estado diferente, ou que um promotor, procurador ou juiz, da esfera estadual ou federal, seja melhor remunerado do que um delegado de polícia, que põe constantemente em risco sua vida para enfrentar bandidos. A isonomia, portanto, é a salvaguarda do princípio constitucional de que todo o mundo é igual perante a lei, promovendo a justiça social com a eliminação de qualquer tipo de privilégio.
            Já a meritocracia, palavra composta do latim “meritum” e do grego “cracía” (poder), através da competição entre indivíduos ou grupos, estimula o aumento de produtividade, sendo um sistema de gestão que premia a competência em qualquer emprego. Amplamente utilizada por empresas multinacionais que visam conseguir lucros, a meritocracia é praticada também em algumas esferas governamentais que estimulam o avanço civilizacional: a carreira docente nas universidades federais e estatuais é feita por concursos de títulos e provas (dissertação de Mestrado, tese de Doutoramento, publicação de trabalhos científicos pós-doutorado), aumentando a referência e, portanto, a remuneração dos professores que melhor ensinam e mais produzem.
É uma pena que um sistema semelhante não seja aplicado a toda burocracia estatal, acabando de vez com os famigerados “cargos de confiança”, distribuídos entre parentes e compadres de políticos.  O principal argumento em favor da meritocracia é que ela proporciona maior justiça social do que a própria isonomia, tanto defendida por sindicalistas populistas, uma vez que os postos públicos e as várias distinções são distribuídos não por fatores biológicos (raça, cor de pele, sexo), sociais ou culturais, mas por merecimento. Iníquo é o governo que remunera melhor um ascensorista do Planalto (que mal cursou uma escola de ensino médio ou profissionalizante) do que um professor universitário ou um médico num posto de saúde. São essas injustiças, eternizadas por políticos corruptos, que acabam travando o progresso e gerando a violência urbana, que põe em perigo a ordem social.

Salvatore D' Onofrio
Dr. pela USP e Professor Titular pela UNESP
Autor das seguintes obras:
Dicionário de Cultura Básica   (Publit)
Literatura Ocidental e Forma e Sentido do Texto Literário (Ática)
Pensar é preciso  (Editorama)
Pesquisando - teoria e prática de uma monografia  (Editorama)




Comentários

Mensagens populares deste blogue

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …

O Jair que existe e o que não existe

Estou há semanas querendo tocar em assuntos que não são exatamente sobre política, mas sobre comportamento. Infelizmente vivemos uma era onde achar alguma coisa ofende, não concordar com os intelectuais do Projac te exclui de muita coisa e não ser uma samambaia te prejudica com anunciantes. Enfim, foda-se.

Eu quero falar sobre Jair Bolsonaro.
Antes de mais nada, para validar minha opinião com os psicopatas, devo registrar que meu voto no primeiro turno será em João Amoedo. É o candidato que me identifico mais com as idéias e propostas. Ponto final.
Ah mas então você não vota no Bolsonaro? Voto, claro que voto. No segundo turno contra PT, PSDB, Marina, Ciro, Boulos… voto fácil.
E não, não voto cheio de dedos ou vergonha do que vilão que a mídia criou, nem do super-herói que outros esperam.

O Brasil é um garotinho perdido sem identidade, sem coragem e sem noção. Todo garoto assim quer um super herói para ajuda-lo, não um caminho longo para seguir. Jair é o herói de muita gente, como Lula f…

Fala, Bolsonaro. Simplicidade e clareza, a marca do homem que incomoda os corruptos do Brasil