Avançar para o conteúdo principal

PREPAREM-SE PARA O QUE VEM POR AÍ


UCRÂNIA: A NOTÍCIA É ÓTIMA, MAS PREPAREM-SE PARA O QUE VEM POR AÍ

Notícias de hoje de manhã dão conta de que Viktor Yanukovytch, o títere ucraniano de Moscou, renunciou. É... foi uma revolução mesmo na Ucrânia, mas por enquanto apenas no sentido político de troca dos ocupantes do governo (espera-se, pois não se sabe bem como ficará a coisa). Não sei se eles vão mexer no padrão de relação Estado-sociedade. Acho que não. 

E não estão resolvidos vários problemas ligados ao que é oposição lá (tem grupos de todo tipo, da chamada ultra-direita à anarquistas e esses grupos não são responsáveis pelo que aconteceu, mas agora serão responsáveis pela institucionalização do que aconteceu). 

O clima não é de todo agradável. Há um profundo ressentimento social com o império soviético (desde o genocídio conhecido como Holodomor - a palavra significa "matar pela fome" - que, em 1932-1933, numa ação deliberada de extermínio dirigida pelo Partido Comunista, do tipo "limpeza-étnica", levou a mais de 3 milhões de mortes). E há vários ressentimentos derivados, inclusive dentro da Ucrânia, entre as regiões, na parte do país que fala russo...

Ainda que o sentido geral das movimentações de agora tenha sido inequivocamente democrático: contra o governo títere de Yakunovych, manipulado por Moscou (a autocracia Russa comandada pela FSB, ex-KGB), os desdobramentos podem não ser, e podem não guardar nenhuma relação com a dinâmica social que se instalou a partir de 8 de dezembro de 2013 (quando houve o grande swarming com 1 milhão de pessoas na Praça Maidan, num país de 40 milhões: fenômeno que não foi produzido pela dinâmica dos grupos políticos organizados). Eis o ponto! Essa dinâmica social inédita não pode se expressar adequadamente com as mediações dos grupos organizados que já existiam lá ou que se formaram na esteira das lutas de rua.

Estão entendendo como é complicado? Além disso, a Rússia não desistirá da Ucrânia: preparem-se para o que vem por aí. O projeto do governo de assassinos da FSB (ex-KGB), comandado ostensivamente por Vladimir Putin, é o de reeditar uma espécie de união soviética para voltar à guerra-fria. O objetivo é polarizar novamente com o ocidente e manter um estado de guerra permanente para alimentar um regime autocrático (um novo império do Leste). A Ucrânia é uma peça necessária nesse arranjo projetado pelos déspotas russos e tanto a União Européia (que não quer perder o financiamento do gás), quando os USA (que não quer se meter em problemas que não pode resolver) não têm meios eficazes de se contrapor a essa ambição expansionista do neo-sovietismo da comunidade de informações russa (e a China não se manifestará enquanto não houver ameaça geopolítica ou econômica à sua linha de expansão - que é bem diferente da russa: ela está comprando dívidas de países e, inclusive, comprando países mesmo, sobretudo na África, na Ásia e agora, ao que tudo indica, na América Latina). Por Augusto de Franco

Notícias de hoje de manhã dão conta de que Viktor Yanukovytch, o títere ucraniano de Moscou, renunciou. É... foi uma revolução mesmo na Ucrânia, mas por enquanto apenas no sentido político de troca dos ocupantes do governo (espera-se, pois não se sabe bem como ficará a coisa). Não sei se eles vão mexer no padrão de relação Estado-sociedade. Acho que não.

E não estão resolvidos vários problemas ligados ao que é oposição lá (tem grupos de todo tipo, da chamada ultra-direita à anarquistas e esses grupos não são responsáveis pelo que aconteceu, mas agora serão responsáveis pela institucionalização do que aconteceu).

O clima não é de todo agradável. Há um profundo ressentimento social com o império soviético (desde o genocídio conhecido como Holodomor - a palavra significa "matar pela fome" - que, em 1932-1933, numa ação deliberada de extermínio dirigida pelo Partido Comunista, do tipo "limpeza-étnica", levou a mais de 3 milhões de mortes). E há vários ressentimentos derivados, inclusive dentro da Ucrânia, entre as regiões, na parte do país que fala russo...

Ainda que o sentido geral das movimentações de agora tenha sido inequivocamente democrático: contra o governo títere de Yakunovych, manipulado por Moscou (a autocracia Russa comandada pela FSB, ex-KGB), os desdobramentos podem não ser, e podem não guardar nenhuma relação com a dinâmica social que se instalou a partir de 8 de dezembro de 2013 (quando houve o grande swarming com 1 milhão de pessoas na Praça Maidan, num país de 40 milhões: fenômeno que não foi produzido pela dinâmica dos grupos políticos organizados). Eis o ponto! Essa dinâmica social inédita não pode se expressar adequadamente com as mediações dos grupos organizados que já existiam lá ou que se formaram na esteira das lutas de rua.

Estão entendendo como é complicado? Além disso, a Rússia não desistirá da Ucrânia: preparem-se para o que vem por aí. O projeto do governo de assassinos da FSB (ex-KGB), comandado ostensivamente por Vladimir Putin, é o de reeditar uma espécie de união soviética para voltar à guerra-fria. O objetivo é polarizar novamente com o ocidente e manter um estado de guerra permanente para alimentar um regime autocrático (um novo império do Leste). A Ucrânia é uma peça necessária nesse arranjo projetado pelos déspotas russos e tanto a União Européia (que não quer perder o financiamento do gás), quando os USA (que não quer se meter em problemas que não pode resolver) não têm meios eficazes de se contrapor a essa ambição expansionista do neo-sovietismo da comunidade de informações russa (e a China não se manifestará enquanto não houver ameaça geopolítica ou econômica à sua linha de expansão - que é bem diferente da russa: ela está comprando dívidas de países e, inclusive, comprando países mesmo, sobretudo na África, na Ásia e agora, ao que tudo indica, na América Latina).

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Levantar a ponta do véu da saúde mostra que a noiva está sem calcinha

Por Alexandre Graviloff

A falta de dinheiro para a Saúde é gritante. O que o Brasil investe não sustenta um sistema complexo como o SUS. Mas a falta de grana, por mais grave que seja, não é a mais importante. Quase nenhum sistema de Saúde tem boa gestão. Se o orçamento da Saúde dobrar, assim, na maior, de hoje para amanhã, da forma como o sistema funciona hoje, haverá desperdício. O Brasil vai jogar dinheiro fora. 
Os governantes iriam construir um monte de hospital. Isso não resolve o problema. Precisamos de mais grana, mas antes precisamos saber como usar bem essa grana. Enquanto não tivermos um sistema de atenção primária funcionando adequadamente, o diagnóstico dos hipertensos e diabéticos continuará a ser feito apenas quando ele chega a uma emergência. É uma irracionalidade porque isso é pior para o paciente e mais caro para o sistema. 
Outro grande problema da administração direta é a área de recursos humanos. Tem gente imbecil que acha que o problema é salário. Aí aumenta o salári…

O complexo de Édipo na política brasileira

Por Nelson Prado Rocchi

Uma introdução ao Complexo de Édipo aplicado à política. Publiquei este texto antes do impeachment da Dilma. A Lava Jato ainda não existia e nem havia estourado o Petrolão.

Advogo aqui em favor de um fenômeno, o restabelecimento da Lei do Pai, uma lei psicológica que governa os humanos acima e abaixo das racionalizações, vigendo (vigorando) desde muito antes do surgimento das Constituições Nacionais trazidas no bojos dos movimentos fundantes, como as Revoluções Americana e Francesa.


VIOLÊNCIA CAÓTICA - ÉDIPO - LEI DO PAI - PACTO SOCIAL

Nosso primeiro amor foi nossa mãe. Ela foi nossa Deusa. O menino, para seu desgosto, ao redor dos 2 anos, descobre que existem dois sexos e que ele é um menino, alguém como o pai. Ele não pertence ao gênero sexual da Deusa, ele é de um gênero inferior.

Homens passam a vida querendo pegar, apalpar o corpo das mulheres, substitutas da Deusa perdida. A identificação do menino com o pai nessa idade ajuda o menino a escapar do poder avassa…

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …