Avançar para o conteúdo principal

Um general para a Presidência da República?



Os brasileiros vão ter de decidir, uma hora dessas, se estamos mesmo a fim de experimentar um modelo de governo que, vindo do passado, represente algo novo, não exatamente moderno.

Seria lindo que os brasileiros pudessem se orgulhar gostosamente do país em que vivem. Mas isso, já disse o Marcola, é ilusão.

E o simples fato de citar um homem trancafiado e reconhecidamente líder da bandidagem já fala por si.

A Presidência da República deixou de ser um exemplo para o país, eis a dura verdade. E o PT está fazendo de tudo para que o Poder Judiciário também tome o caminho da vala, do esgoto, da quebrada nojenta onde vidas alquebradas alimentam a necessidade dos ratos.

Portanto, sonhar com um poder real na mão de um Poder oficial é fácil, necessário e perigoso. Até porque projetar num general a imagem ideal de presidente é um ato falho, psicanalítico, que reproduz indiretamente o tamanho da nossa fraqueza pessoal diante do todo.

O PT acalenta esse sonho também. Quer mais poder, cada vez mais. E vai tentar convencer o povo de que um regime parecido com o regime militar é precisamente aquilo que o país pede.

Mas por que não, um general comprometido com o reerguimento das Forças Armadas, com o estado de direito, com a guarda das instituições?

Não será fácil. Esse general terá de lutar contra outros generais, políticos, empresários que também se associaram ao PT e ao mundo do crime. Conseguirá isso sem transformar o país num misto de Cuba com Venezuela?

Não convém flertar com militares no poder. Como escreveu o general Hugo Abreu, no livro O outro lado do Poder, colocar os militares no poder é fácil, difícil é tirá-los de lá.

O primeiro parágrafo deveria motivar o querido leitor a ler a obra toda, vejam: “Por que escrevi este livro? Ele visa a apresentar um depoimento de minha participação no governo Geisel, sobre o que fiz e o que vi durante mais de três anos em que estive do outro lado do poder. Não se trata de um estudo do comportamento do governo, mas apenas um depoimento... Embora ainda contaminado pelo calor dos acontecimentos recentes, meu depoimento procura traduzir honestamente o que vi e o que pude sentir”.

Um livro bem-escrito, bem-documentado, eu diria até emocionante, pois ali está um general escrevendo com amor ao Brasil. Daí a pergunta, um general na Presidência da República, pela via eleitoral, podendo unir forças e desbaratar quadrilheiros que fazem vaquinha para comprar indulto e humilhar um instituição? Por que não?


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Levantar a ponta do véu da saúde mostra que a noiva está sem calcinha

Por Alexandre Graviloff

A falta de dinheiro para a Saúde é gritante. O que o Brasil investe não sustenta um sistema complexo como o SUS. Mas a falta de grana, por mais grave que seja, não é a mais importante. Quase nenhum sistema de Saúde tem boa gestão. Se o orçamento da Saúde dobrar, assim, na maior, de hoje para amanhã, da forma como o sistema funciona hoje, haverá desperdício. O Brasil vai jogar dinheiro fora. 
Os governantes iriam construir um monte de hospital. Isso não resolve o problema. Precisamos de mais grana, mas antes precisamos saber como usar bem essa grana. Enquanto não tivermos um sistema de atenção primária funcionando adequadamente, o diagnóstico dos hipertensos e diabéticos continuará a ser feito apenas quando ele chega a uma emergência. É uma irracionalidade porque isso é pior para o paciente e mais caro para o sistema. 
Outro grande problema da administração direta é a área de recursos humanos. Tem gente imbecil que acha que o problema é salário. Aí aumenta o salári…

O complexo de Édipo na política brasileira

Por Nelson Prado Rocchi

Uma introdução ao Complexo de Édipo aplicado à política. Publiquei este texto antes do impeachment da Dilma. A Lava Jato ainda não existia e nem havia estourado o Petrolão.

Advogo aqui em favor de um fenômeno, o restabelecimento da Lei do Pai, uma lei psicológica que governa os humanos acima e abaixo das racionalizações, vigendo (vigorando) desde muito antes do surgimento das Constituições Nacionais trazidas no bojos dos movimentos fundantes, como as Revoluções Americana e Francesa.


VIOLÊNCIA CAÓTICA - ÉDIPO - LEI DO PAI - PACTO SOCIAL

Nosso primeiro amor foi nossa mãe. Ela foi nossa Deusa. O menino, para seu desgosto, ao redor dos 2 anos, descobre que existem dois sexos e que ele é um menino, alguém como o pai. Ele não pertence ao gênero sexual da Deusa, ele é de um gênero inferior.

Homens passam a vida querendo pegar, apalpar o corpo das mulheres, substitutas da Deusa perdida. A identificação do menino com o pai nessa idade ajuda o menino a escapar do poder avassa…

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …