Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Junho, 2014

A imagem, a propagação da imagem e a ilusão sobre o voto

Está rodando no Facebook a ironia resultante de um palpite e a tentativa de sua desconstrução. O economista Rodrigo Constantino escreveu que o símbolo da copa 2014 seria uma propaganda subliminar do partido que manda no governo da subgerenta da República.

A ironia da situação pode ser explicada pela semiótica, uma ciência cujas origens residem no século 17. Constantino fez um recorte de um aspecto real no símbolo da Copa. Criou assim a imagem da imagem, um elemento significante extraído de um signo, o de que o amarelo faz um L, compondo uma mensagem com o 2014 em vermelho. E está correto. Esse signo existe, está lá produzindo significantes, nascedouro dos significados.

A partir do momento em que se tornou uma crítica, o elemento que antes não significava nada passou a significar algo, e, sim, passa a ter uma função, a de ser propagada conforme a percepção consciente dos seus utentes (usuários).

E o Facebook é uma assembleia de utentes. Você que está aí batucando no seu teclado é um utent…

Um texto de um adido militar para um presidente

"Ele é um dos mais inteligentes homens que eu tenho conhecido e tem uma integridade de caráter raras vezes encontrada. É um católico de fé religiosa profunda e genuína, indo à missa todos os domingos pela manhã e às vezes durante os dias da semana. Tem um mordente sarcasmo, que lhe tem valido alguns inimigos. É um intelectual brilhante e não tolera a mediocridade. Tem um sentimento de dignidade que mantém à distância as intimidades indevidas...

E prossegue a carta (é uma carta)
"Ele é um tanto formal e reservado com aqueles que não conhece bem e não faz amigos facilmente. Quando provocado é capaz de revides contundentes, que os atingidos não esquecem prontamente. Não é suscetível a lisonjas e encara com certas reservas os que por esse modo tentam conquistá-lo. As referências ao nome de sua mulher quase trazem lágrimas aos seus olhos.

E finaliza:
"Ele sempre se revelou um liberal progressista e acredita que uma considerável parte do governo deve ser consagrada ao planeja…

Livro de Augusto de Franco mostra como PT é um retorno ao passado

UM SÉCULO DEPOIS E ESSA TURMA NÃO MUDA

Por Augusto de Franco

Sobre as concepções dos redatores do Decreto 8.243/2014 do PT

Publiquei meu primeiro livro (em papel, é claro) em 1985. Tinha como título Autonomia e Partido Revolucionário. Era uma crítica à teoria leninista da organização e à visão de Lenin e do partido bolchevique da relação entre o partido e as organizações da sociedade, como os sindicatos. Em 1986 alguns jovens goianos que foram tomar aulas de formação política em Cuba, recrutados pela articulação que sempre comandou o PT, levaram na bagagem para a ilha alguns exemplares do livro. Logo que um cara do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba descobriu que estudantes de vários países e até professores estavam lendo o meu livro, mandou apreender todos os exemplares (com busca e apreensão nos alojamentos). Como se sabe, naquela prisão marxista-leninista é proibido ler qualquer coisa diferente da doutrina oficial (marxista-leninista). Mesmo a revolucionária Rosa Luxemburgo …

Capitalismo de compadres

Por Célio Pezza


São Paulo, 16 de junho de 2014
Uma recente pesquisa feita em abril pelo Pew Research Center, entidade estabelecida em Washington, mostrou que a economia brasileira está ruim, na avaliação de 67% dos entrevistados. 72% disseram estar insatisfeitos com o Brasil de hoje, ante 55% de um ano atrás. “O humor nacional no Brasil é ruim”, disse a pesquisa.

Quanto a Copa do Mundo da FIFA, 61% acham que é ruim para o país, pois tira dinheiro dos serviços públicos, tão precários no Brasil. 

No quesito economia, um grande problema é uma forma de capitalismo que transfere renda da população para grandes corporações, com ampla participação governamental.


Os grandes capitalistas estão sempre se aliando ao governo, pois, dessa forma, suas empresas quebram com maior facilidade as barreiras burocráticas. Já os pequenos negócios acabam falindo, pois não têm recursos suficientes para quebrar essas barreiras. Neste contexto é muito mais lucrativo ser “amigo do rei” do que inovar e buscar a verda…

Para entender o Brasil hoje

Saul Alinksy e o Império do Radicalismo Político
Este pode ser de extrema valia para compreender o Brasil de hoje. O título é meio teórico, parece que se refere a uma tese filmada. Mas em política ocorre o mesmo fenômeno da história em geral. Quem não compreende isso vai ser usado para repetir histórias, sobretudo aquelas que não deram certo.

A força do rancor da grandeza ou da miséria que nos habita

Por Luiz Flávio Gomes

Por força da parábola “A tábua e os pregos” se sabe que uma ferida verbal (uma ofensa) é tão maligna para a alma como uma agressão física. Quando você ofende alguém, ficam as marcas. Você pode enfiar uma faca em alguém e depois retirá-la. Não importa quantas vezes você peça desculpas, a cicatriz ainda continuará lá. Joaquim Barbosa, que disse que vai deixar em breve a magistratura, foi um juiz independente e corajoso, mas deixa cicatrizes profundas nas almas de todas as pessoas que foram vítimas das suas temperamentais ofensas. Muitos vão comemorar sua saída; outros irão lamentar profundamente. Para alguns ele já vai tarde; para muitos ele fará muita falta na desprestigiada magistratura brasileira. De qualquer modo, para quem nunca acreditou na punição dos poderosos no Brasil, JB se mostrou, especialmente no julgamento do mensalão do PT, um exemplo de juiz autônomo e idealista.

Precisamente porque fugiu do figurino demarcado pelo exercício do poder no Brasil, JB se…