Levaram embora os enfeites e você acreditou que os enfeites eram a nova realidade?


Andei pelas ruas da cidade. Peguei trem, metrô e ônibus. Fui a três ou quatro lugares. Cadê os enfeites? A dura realidade estava de volta. Por isso talvez o Brasil tenha parado e todo mundo achou que era por causa da seleção? Não seria talvez por necessidade de uma nova solidão?

No período em que os enfeites hipnotizaram milhares de pessoas as ruas ficaram vazias. O trânsito e esses mesmos transportes públicos foram à loucura naqueles momentos em que os enfeites mandavam parar tudo. E muita coisa até funcionou melhor. Mas não era a nova realidade. Era a realidade da solidão acompanhada, em que milhões fogem das ruas e do trabalho para se refugiar num sonho comprado e vendido mil vezes e nunca entregue.

Hoje, as ruas amanheceram sem enfeites. Fomos devolvidos a nós mesmos, fomos devolvidos ao que somos. Alguém sentirá um vazio sem explicação. Sentirá saudade de pequenos momentos em que, imerso numa fantasia, entrou em contato com as suas mais profundas esperanças e planos de uma vida melhor.

Terá sido esse o legado da copa. O pedacinho de si mesmo que a solidão acompanhada permitiu a alguns milhares de brasileiros. A maioria continuará tomando mais da mesma bebida. Não perceberá que alugou sua casa para a Fifa. Não perceberá que a nova realidade padrão Fifa é um sonho de um Brasil alugado pela entidade que governa uma modalidade esportiva. Nada mais.

Somente os alemães ficarão na memória de um restrito número de pessoas. Aquelas que passaram dias hospedando os germânicos, lá na Bahia, tendo ganho de presente um hotel que pode virar escola, ou ser simplesmente sucateado pela falta de fantasias, um centro de saúde que o PT logo deixará com padrão SUS, um campo de futebol e as lembranças de diversos momentos em que, recebendo turistas, os locais também se renderam à força dos enfeites.

Ah! Esses alemães! Eles bancaram a reforma de uma Escola Pública local, doaram uma excelente Biblioteca, montaram um Laboratório de Informática, doaram uma Ambulância para o município e dinheiro para os índios.

Foram os únicos a deixar em vez de levar. Mas os enfeites padrão Fifa não poderiam durar para sempre. E que país precisa de favores como esse? Que povo precisa de escola e de hospitais para realizar um campeonatozinho de futebol? Que país é esse que tem um presidente fanfarrão e uma subgerente na Presidência da República dizendo idiotices o tempo todo?

Comentários