Avançar para o conteúdo principal

Petismo e nazismo. Parecidos e preocupantes.


Salvador Nogueira


Eu não entendo por que tem gente que fica tão incomodada com a minha comparação entre o nazismo e o petismo. Não fui nem o primeiro, nem serei o último a traçar esse paralelo. O próprio Lula já esboçou esse paralelo entre petismo e nazismo antes de mim, ao declarar sua admiração pela obstinação de Hitler para chegar ao poder. Aliás, ele teve a mesma obstinação, ao disputar três eleições seguidas para presidente antes de ganhar a quarta.

E é desonestidade intelectual querer dizer que, para ter características nazistas, é preciso exterminar em massa alguma parcela da população. Acho que só oprimir e ridicularizar ("coxinha", alguém?) para obter o apoio e a união dos demais já basta.

O nazismo também era populista e assistencialista, como é o petismo.

O nazismo também chegou ao poder pela via democrática e aparelhou o estado.

O nazismo tinha ideologia forte e maniqueísta. E o PT, suposto partido dos pobres, tem viés ideológico e maniqueísta? "Nós contra eles" soa familiar?

A corrupção era um traço forte, pungente, do governo nazista. E do petismo?

O nazismo também defendeu o controle da mídia (e efetivamente o implementou, coisa que, felizmente, ainda não aconteceu por aqui).

O nazismo trocou a bandeira alemã por seu próprio estandarte. Alguém já viu as manifestações petistas? Alguma bandeira do Brasil por perto? Ou só bandeiras do PT?

E por aí vai.

Claro, se você procurar, encontrará diferenças importantes entre o Partido dos Trabalhadores e o Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores (até o nome é parecido!).

Um tem origens à direita, outro à esquerda (o que diz pouco a essa altura, uma vez que a própria classificação ficou velha diante de uma história que superou a antiga polarização da Guerra Fria).

Um implementou rapidamente a dominação completa do estado; o outro, mais matreiro, preferiu comer pelas beiradas, eleição após eleição, com o uso crescente da máquina pública nas disputas eleitorais (o que, no fim, dá na mesma; chegaremos ao final do próximo governo com um STF dominado por petistas, a reforma política pode muito bem servir para reforçar o controle do Legislativo pelo partido e a ameaça da "regulamentação" da mídia pode eliminar a pouca autonomia que ainda resta ao "Quarto Poder").

Um tinha viés belicista, o outro não parece particularmente dado a conflitos externos (mas não se furta a defender ditaduras amigas e pedir diálogo com terroristas extremados).

Agora, você pode concordar ou discordar. Aliás, acho difícil mesmo concordar, porque o nazismo foi uma coisa tão medonha que qualquer comparação soa automaticamente ofensiva. Mas negar esses paralelos é uma atitude irracional diante dos fatos.


D

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Levantar a ponta do véu da saúde mostra que a noiva está sem calcinha

Por Alexandre Graviloff

A falta de dinheiro para a Saúde é gritante. O que o Brasil investe não sustenta um sistema complexo como o SUS. Mas a falta de grana, por mais grave que seja, não é a mais importante. Quase nenhum sistema de Saúde tem boa gestão. Se o orçamento da Saúde dobrar, assim, na maior, de hoje para amanhã, da forma como o sistema funciona hoje, haverá desperdício. O Brasil vai jogar dinheiro fora. 
Os governantes iriam construir um monte de hospital. Isso não resolve o problema. Precisamos de mais grana, mas antes precisamos saber como usar bem essa grana. Enquanto não tivermos um sistema de atenção primária funcionando adequadamente, o diagnóstico dos hipertensos e diabéticos continuará a ser feito apenas quando ele chega a uma emergência. É uma irracionalidade porque isso é pior para o paciente e mais caro para o sistema. 
Outro grande problema da administração direta é a área de recursos humanos. Tem gente imbecil que acha que o problema é salário. Aí aumenta o salári…

O complexo de Édipo na política brasileira

Por Nelson Prado Rocchi

Uma introdução ao Complexo de Édipo aplicado à política. Publiquei este texto antes do impeachment da Dilma. A Lava Jato ainda não existia e nem havia estourado o Petrolão.

Advogo aqui em favor de um fenômeno, o restabelecimento da Lei do Pai, uma lei psicológica que governa os humanos acima e abaixo das racionalizações, vigendo (vigorando) desde muito antes do surgimento das Constituições Nacionais trazidas no bojos dos movimentos fundantes, como as Revoluções Americana e Francesa.


VIOLÊNCIA CAÓTICA - ÉDIPO - LEI DO PAI - PACTO SOCIAL

Nosso primeiro amor foi nossa mãe. Ela foi nossa Deusa. O menino, para seu desgosto, ao redor dos 2 anos, descobre que existem dois sexos e que ele é um menino, alguém como o pai. Ele não pertence ao gênero sexual da Deusa, ele é de um gênero inferior.

Homens passam a vida querendo pegar, apalpar o corpo das mulheres, substitutas da Deusa perdida. A identificação do menino com o pai nessa idade ajuda o menino a escapar do poder avassa…

A farsa do pré-sal

Publiquei os textos abaixo há seis anos. Seguem reproduzidos agora por causa da nova formatação do blog que fez sumir as páginas existentes. Publicar agora pode perfeitamente servir de alerta pois já nem se ouve falar em pré-sal quase às vésperas da próxima eleição.
Brasil explora pré-sal desde os anos 50
Novembro de 2011
Texto de Miriam Leitão.

"O Brasil descobriu petróleo no pré-sal nos anos 50 e já o explora há décadas. O que houve agora foi a descoberta de grandes reservas, mas nem todo produto é de boa qualidade. A produção iniciada em Tupi é mínima perto do total extraído no Brasil. Principalmente é falsa a ideia de que o pré-sal é a solução mágica que garante o futuro. O governo faz confusão proposital quando o assunto é petróleo.

Primeira descoberta foi em 1957

A excessiva politização do tema está criando mitos e passando para o país a ideia de que agora ganhamos na loteria, um bilhete premiado, que vai produzir dinheiro abundante que resolverá todos os nossos problemas. Isso …