Os lençóis de Abreu e Lima


Quem leu atentamente o noticiário sobre os resultados da investigação interna da Petrobras sobre Venina Fonseca deve ter notado algo claramente: os problemas dela começaram quando da pressão que ela fez para que as obras de Abreu e Lima fossem aceleradas para a eleição de 2010. A quem beneficiaria a entrega da obra em tempo mais curto? Como se sabe Abreu e Lima fica em Pernambuco. Havia uma candidata e um candidato? Ela aparece, tem número, receberá votos. Ele receberá o quê, além do poder que detém desde sempre para convidar trabucos e trabucados?

Um cenário hipotético para um mundo real: alguém, graúdo, terá percebido na pressa mais uma chance de “fazer” dinheiro sem saber direito que pito Venina pitava? Ou achava que pitava do mesmo pito também? O então beneficiado pela inauguração da refinaria teria sabido de tudo? Se soube, debaixo dos lençóis de Abreu e Lima, deve ter recomendado algo típico no mundo político há milênios, resumido na frase: “documente tudo”.

Quantas pistas indicam e quanto calor sensual cobriram os lençóis de Abreu e Lima?


Mas será preciso pensar mais, olhar mais fundo: O problema desse cenário, o de que os problemas dela começam com Abreu e Lima, é que trata-se de um marco forçado. Querem que esse marco seja firme e único para trás do qual não será permitido retroceder.

O jogo do poder é interessante, sobretudo numa democracia de aparências.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Levantar a ponta do véu da saúde mostra que a noiva está sem calcinha

O complexo de Édipo na política brasileira

O que o PSDB precisa fazer para ser PSDB?